sábado, 2 de julho de 2011

A Santidade Homossexual

cancaonova.com: O que os pais devem fazer para que seus filhos não venham a viver no homossexualismo?
Padre Joãozinho: A primeira coisa que um pai precisa fazer é dialogar com seu filho e, uma vez que o filho se mostra homossexual, a rejeição dos pais aumenta a tendência homossexual. Os homossexuais que conseguem superar essa condição e acabam se casando e tornando-se pais de família e desempenham este papel de maneira satisfatória, são aqueles que foram aceitos e amados por seus pais.

Não adianta o pai rejeitar, punir, falar um monte de coisa. Na verdade, o diálogo e a transparência são o melhor a fazer. É muito comum que os pais descubram que o filho é homossexual quando a coisa já está bastante adiantada.

Também na questão da internet, os pais deveriam tomar uma atitude radical de tirar o computador dos quartos de seus filhos e colocá-lo na sala. Os computadores, em casa, deveriam ser mais públicos, porque grandes problemas de pseudo-homossexualidade estão relacionados a chats, MSNs, nos quais aquela menina, que nem é homossexual, simula uma homossexualidade. O rapaz também, dentro do quarto dele, muda de sexo todos os dias.

cancaonova.com: Como alguém que vive no homossexualismo pode voltar a ter uma vida normal?
Padre Joãozinho: Eu conheço homossexuais que vivem este drama como um espinho na carne, que vivem a sua santidade, na castidade, com muito sofrimento.
Um homossexual tem de pensar muito antes de assumir um casamento, porque pode fazer o outro sofrer muito.

Muitos homossexuais vivem um celibato voluntário, eles não estão interessados em casar. Isso, às vezes, é uma imposição da sociedade, de que os homossexuais formem um tipo de casal homossexual. É uma imposição cultural que tem como referência o matrimônio. Mas o homossexual tem de procurar um outro caminho de felicidade para viver a sua santidade e que também não seja, necessariamente, o sacerdócio.

cancaonova.com: Como é possível viver a santidade no homossexualismo?
Padre Joãozinho: Primeiro, é preciso não se deixar contagiar por essa cultura gay. Não assumir a sua homossexualidade como uma coisa boa. Este documento da Congregação para a Doutrina da Fé fala que um dos critérios para a santidade homossexual é assumir essa realidade não a aceitando como parte dele. O homossexual está homossexual, ele não é homossexual, no coração de Deus ele é heterossexual. Ele tem uma condição, um limite humano que nós não sabemos tratar ainda direito. É como alguém que nasce sem uma perna, ele não vai poder correr, mas pode fazer um monte de outras coisas. O homossexualismo é um limite a mais, mesmo que ele não queira e não consiga superar isso, existem muitos homossexuais [celibatários] no céu.

O fato de uma pessoa ser homossexual, não faz dela um pecado, ela não é um pecado. Inclusive, alguns comportamentos externos como o tom da voz, a delicadeza no agir, alguns trejeitos, são um peso ainda maior, embora nem todos os tenham, mas os que os têm, não conseguem se superar sem serem pessoas extremamente tristes e artificiais.

Nós temos de aceitar um homossexual na santidade até com esses trejeitos. O coração da Igreja está aberto a eles que, como tantas outras pessoas, têm limites e sofrem

Fonte

2 comentários:

Anônimo disse...

preciso muito de ajuda. sou homossexual.e tenho um relacionamento com um seminarista que esse ano ainda se ordenará.na minha concepçao eu amo ele.e ele a mim. mas nao estou me sentindo bem com isso.peço ajuda umildemente.

proamoredei disse...

Nosso irmão em Cristo, Salve Maria!

Primeiro, é preciso que você viva a castidade. Isso implicará que você e seu amigo não poderão se envolver sexualmente. Porém, isso não implica, necessariamente, que vocês deixem de ser amigos.

Segundo, tendo rompido o relacionamento sexual com seu amigo, ficará a carência. Busque trabalhá-la fomentando castas amizades (com esse amigo, por exemplo) e aproximando-se da sua família.

No momento, você diz não estar bem. Sua consciência está indicando para você que a atual situação não pode ficar como está, pois está errada. Sendo assim, é tempo de cuidar da sua alma e da sua relação com Deus. Busque os sacramentos e a vida de oração.

Quanto ao seu amigo, ele precisará reavaliar a vida dele. Reze por sua vocação.

Esperamos tê-lo ajudado. Um abraço fraterno.