Grupo Atração Indesejada WhatsApp

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Personalidade Borderline e a relação com a atração pelo mesmo sexo e o bissexualismo

Síndrome de Borderline ou transtorno de personalidade Limítrofe é uma grave doença psicológica. Os indivíduos com a síndrome de Borderline vivem no limite entre a normalidade e surtos psicóticos. As dificuldades para se relacionar, oscilações de humor e impulsividade são alguns dos sintomas enfrentados pelo portador da síndrome de Borderline e para as pessoas que o cercam e comum entre os que sentem a atração indesejada pelo mesmo sexo. Esses sintomas começam a se manifestar na adolescência e se tornam concretos no inicio da vida adulta. 

A síndrome de Borderline é freqüentemente confundida com esquizofrenia ou transtorno bipolar, porém possui características diferentes como a duração e intensidade das emoções. Oscilações de humor, agressividade, irritabilidade, depressão, auto-mutilação, comportamentos suicidas, medo de abandono, dificuldade em lidar com as emoções, mudanças de planos profissionais, pessoais (e na visão da própria identidade sexual, ora visando a mudança, ora não.) e nos círculos de amizades, impulsividade, baixa auto-estima, dúvidas constantes em relação a si próprio e à sua identidade, não existe certeza de “quem é?”, “para onde vai?” ou “o que é o mais importante?”. O borderline divide as pessoas em dois tipos bem restritos. Exemplo: ou uma pessoa é boa, só tem qualidades, ou ela é má, só tem defeitos. Não há um bom meio-termo. Mas veja; a opinião pode mudar: Se alguém que o borderline considera bom, perfeito, o decepciona fazendo algo real ou apenas imaginado, o borderline irá considerá-lo mau, tendo uma opinião oposta à anterior, sem achar um meio-termo.


Quanto à origem podemos referir vários: ao nível familiar, pais abandonantes, negligentes e/ou inconsistentes, incapazes de prestar os cuidados físicos e emocionais dos filhos. Ao nível interpessoal, humilhações como bullying também podem contribuir para o surgimento do transtorno. Existe também uma componente genética, mas comparando-a com doenças semelhante, não se revela muito decisiva. 


Borderline e a sexualidade 


Podem coexistir varias tendências em forma de fantasias ou de ações. As formas bizarras de sexualidade, principalmente as que manifestam agressão ou substituição primitiva dos fins genitais, tais como atitudes eliminatórias (urinar, defecar). Às vezes a homossexualismo pode funcionar como defesa contra a sensação e a ansiedade de abandono. A homossexualismo costuma representar a busca de gratificação das necessidades orais. Pode também manifestar relações homossexuais sadomasoquistas e promíscuas. 


A identidade do borderline é menos definida; ele não sabe exatamente quem é ou o que quer, e isso inclui a sexualidade. Já o bipolar tem uma identidade mais sólida; ele sabe quem é e o que quer. Falando apenas de sexualidade, ou de identidade sexual, é mais provável encontrar um bissexual entre borderlines que entre bipolares, especialmente se não estamos falando de uma única experiência sexual, mas de várias. (Alguns bipolares que relataram ao menos pensar ou já ter pensado em outra mulher ou já ter experimentado pelo menos um beijo de outra mulher. À parte isso, não deixemos de ter em mente que a identidade do bipolar já é sólida ou definida enquanto a do borderline, não.) 


O Borderline que sente atração pelo mesmo sexo pode, ora pensar em viver o homossexualismo e ora se ver como heterossexual, uma espécie de "bissexual", na verdade a muitos bissexuais são borderlines e não sabem. Essas mudanças sobre a visão da própria sexualidade ocorrem subitamente no Borderline, assim como as mudanças de humor. Que fique claro que o Transtorno Borderline não ocorre apenas em pessoas com atração pelo mesmo sexo, mas pode estar relacionado a esse fato. A psicoterapia é o principal tratamento utilizado, porém requer paciência e força de vontade do paciente, na psicoterapia o individuo aprende a lidar e controlar as suas emoções.
Bibliografia: