Grupo Atração Indesejada WhatsApp

domingo, 9 de outubro de 2011

Ligação da homossexualidade com trauma na infância

DUNEDIN, Nova Zelândia, 26 de julho de 2010 (Notícias Pró-Família)

Um recente estudo da Universidade de Otago revelou que indivíduos homossexuais ou bissexuais têm mais probabilidade de terem sofrido uma variedade de traumas na infância, inclusive ataque sexual, estupro, violência e violência no lar.

“As pessoas que se identificam como homossexuais ou bissexuais, ou tiveram um encontro ou relacionamento de mesmo sexo, tendem a vir de contextos perturbados”, disse Elisabeth Wells, professora adjunta de pesquisas.

O estudo analisou resultados de um estudo de saúde mental da Nova Zelândia que entrevistou 13.000 pessoas entre 2003 e 2004. 98% dos participantes do estudo se identificaram como heterossexuais; 0.8% se identificaram como homossexuais; 0.6% se identificaram como bissexuais; e 0.3% se identificaram com “outra coisa”.

Das pessoas que relataram certos incidentes traumáticos na infância, 15% não eram heterossexuais; daquelas que não tiveram tais experiências, só 5% não eram heterossexuais, indicando que tais experiências triplicam a chance de posteriores inclinações homossexuais ou bissexuais confessas.

Alguns líderes homossexuais radicais discordaram das revelações do estudo: Tony Simpson, presidente do grupo homossexual Arco-Íris de Wellington, disse que a pesquisa não deveria ser entendida como significando que os homossexuais não nascem assim. “Não tenho dúvida de que a direita religiosa fará conclusões precipitadas de que isso serve como prova conclusiva de que a homossexualidade é construída, não de nascença”, disse ele.

Wells tentou dissipar os temores com relação às conclusões do estudo.

“Suspeito que poderia haver alguns gays e lésbicas que ficarão indignados, mas não é minha intenção irá-los”, disse ela. “Você poderia dizer que se alguém foi sexualmente abusado na infância, escolhe viver como homossexual e vive bem, então não é uma coisa ruim. Mas se ele está vivendo uma vida homossexual e lamenta, esse é outro assunto”.

Embora o abuso físico ou sexual na infância esteja ligado à homossexualidade na vida adulta, outras experiências traumáticas, tais como a morte súbita de um amado ou grave doença ou acidente na infância, tiveram apenas leve ligação com identidade ou conduta não heterossexual.

Das mulheres que se identificaram como lésbicas, mais de 40% haviam sido casadas e tinham filhos, ao passo que 13% dos homens homossexuais tinham a mesma experiência. Mais de 80% daqueles que se identificaram como bissexuais eram mulheres.

A ligação entre abuso sexual e posterior identificação homossexual não é nova.

Um estudo de 1992 revelou que 37% dos homens homossexuais e bissexuais usando os serviços de clínicas de doenças sexualmente transmissíveis haviam sido encorajados ou forçados a ter contato sexual antes da idade de 19 com um ou mais fortes parceiros mais velhos.

3 comentários:

Anônimo disse...

Os homossexuais radicais atrapalham tudo, agem mais com emoção que com razão porque só usam a razão quando lhes convém, quando está contra eles, distorcem as coisas.

Eu não quero ser gay, mas por pai ausente, frio e agressivo, mãe superprotetora, bullying no colégio (dificultou fazer amizade com homens e me fez ter medo das mulheres e vê-las como inacessíveis), além de ter sido seduzido por homens mais velhos na adolescência, tudo isso causou minha homossexualidade.

Como a pesquisadora disse, se um homossexual passou por tudo isso mas acha que pode ser feliz assim, beleza. Mas se não se conforma, é outra história. Tenho o direito de não querer ser homossexual mas a mordaça gay tem tornado difícil encontrar mesmo psicólogos ou psiquiatras que tenham CORAGEM de concordar com o fato de que isso vem de um passado conturbado.

Até meus melhores amigos, todos héteros porém amordaçados e sem ideia do quão ruim é estar nessa situação, dizem que eu estou tentando me enganar. O que eu sei é que todos os traumas de infância e adolescência que mencionei acima fizeram meu subconsciente e meu corpo acreditarem que é mais fácil ter sexo e afeto com homens que com mulheres. Agora, com 25 anos, é meio difícil reeducar meu corpo e mente totalmente desenvolvidos. Espero que não seja crônico.

Continuarei lendo este blog tão atenciosamente quanto possível. Não deixarei de comentar uma única postagem.

Anônimo disse...

E tao dificil encontrar blogs ou reportagens falando sobre esse tema. E quase tão difícil, quanto admitir que minha orientação sexual talvez não seja tão natural assim.
A formação de uma pessoa está principalmente na familia, e algumas conturbações podem influenciar bastante, apesar de ser até de forma inconsciente.
Estar em um lar em que seu pai espanca sua mae, e seu irmão te abusa.. Acaba mexendo totalmente com o psicológico.
Enfim, o comentário a cima e basicamente minha opinião.

Anônimo disse...

- Ha muito tempo atrás no ano de 2011 e aos 16 anos de idade procurei entender o que se passava na minha vida, sempre tive plena convicção que a homossexualidade não é algo natural de fato, e hoje com 21 anos de idade voltei a esse blog pra agradecer imensamente a você que criou e me ajudou tanto e mudou tanto a minha opinião sobre mim mesmo, me fez ver muitas coisas as quais não encontrava resposta, a pesar de ainda ter umas e outras vontades mas nada de tão grave em relação ao que eu me encontrava aos 16 anos, eu nunca em minha vida me envolvera com alguém do mesmo sexo mas tenho o total controle sobre mim e digo e afirmo que nunca irei me envolver porque eu nasci homem e é assim que permanecerei por toda minha vida e a pesar de ter tido um pai ausente em minha vida e já ter sido abusado sexual umas três vezes quando era crianca por homens e mulheres mas isso eu tenho a plena convicção que esse desejos de hoje são frutos desses traumas, hoje diante da sociedade sou bem visto por todos que me cercam sempre namorei e tive relações sexuais com mulheres e sou apaixonado por uma, Eu agradeço a Deus pela sua Vida e agradeço por ele me direcionar e enchergar que Deus fez homem e mulher e nada alem disso. obrigado por tudo. um grande abraço