Grupo Atração Indesejada WhatsApp

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Questionário Anamnésico sobre as causas do homossexualismo, vale a pena responder


Apresentação
Índice 1
Questionário parte 5

(Google Imagens)

Se quiser, responda nos comentários, não precisa de identificar.
Livro: "A Batalha pela Normalidade Sexual"
Autor: Gerard J. M. van den Aardweg, PHD
Todos os direitos reservados a Editora Santuário.

3 comentários:

Anônimo disse...

1. Sempre me lembro de meu pai como distante, ausente, ríspido e crítico com relação à tudo o que eu fizesse. Ele era alcoólatra e o sentimento que me recordo com relação à ele era de medo, uma vez que ele sempre chegava bêbado e batia em minha mãe. Persenciava constantemente as suas brigas e me angustiava com isso. Passava todo o tempo como minha mãe, duas irmãs, primas e tias. participava de suas atividades e quando estava com meus primos fazíamos bricadeiras sexuais, as quais iniciaram qundo eu tinha 8 anos. Nesse tempo fazia "troca troca" com os primos que me faziam acreditar que se tratava de uma nova brincadeira que tínhamos inventado...
Não me lembro de ansiar pela presença paterna, pois me sentia alivaido com sua ausência, sentia que ele sempre preferia e tratava melhor às minhas irmãs do que a mim. Lembro-me de apanhar bastante por qualquer motivo, sofrer agressões verbais constantemente e trabalhar bastante em sua lavoura, pois devia ser um "exemplo" aos seus empregados, eu tinha menos de 10 anos, meus pais se separaram quando eu tinha 11 anos. Minha mãe descobriu um caso extra conjugal de meu pai, com um travesti que vivia em um bordel e então teve também um caso com um amigo dele, como forma de se vingar. Sempre que meus pais tinham relações sexuais eu os ouvia de meu quarto e sofria com isso, pois com os gemidos de minha mãe eu pensava que ela estava sofrendo com aquilo, fazia barulhos e tossia para que eles parassem. Numa noite, após terminarem alguém saiu de casa e ao sondar quem era descobri que era o amigo que estava com ela e gritei com os dois quando vi que não era meu pai. O homem me ameaçou depois disso... Eu tinha uns 10 anos.
Logo depois disso eles se separaram, pois meu pai descobriu também essa traição (não por mim)ele a ameaçva com faca e revólver, ela se escondia atrás de mim que era o filho mais velho, 11 anos, minhas irmãs tinham 8 e a outra 1 anos.

2. Ele não fazia nenhuma questão de esconder a preferência pela minhas irmãs, suas palavras pra mim eram que eu não iria dar nada na vida, fale com macho, não se comporte como um mariquinha...
Pouco me lembro de carinho, brincadeiras e atividades juntos. Sempre que ocorriam eram com críticas e agressões.

3. Quando se separaram ele foi embroa para outras cidades e somente voltei a encontrá-lo quando tinha 29 anos e ele apareceu no meu portão, a pricípio nem o reconheci, mas acabei recebendo-o, perdoando-o e hoje temos uma boa relaçãoa até, ele me vista quando vem á minha cidade e como não fala com minha mãe e minhas irmãs o rejeitam ele vem a minha casa, diz me admirar por causa de meus sucessos, diz me aceitar e temos uma relação bem amigável, não nutro ressentimentos com relação à ele, na verdade tento estimular que minhas irmãs o perdoem pelo abandono e até "armei" para que ele conhecesse minhas sobrinhas aqui em minha casa.

4. Sempre sentia muita pena de minha mãe, mesmo quando descobri seu caso eu não a culpava, ela me parecia triste e quando seu casamento entrou nessa crise eu a estimulei a deixar meu pai e acabamos indo para casa de minha avó. Minha mãe não era, e não é uma pessoa carinhosa, nesse tempo eu a via sempre muito ocupada e em minha adolescência ainda muito mais, pois ela tinha que trabalhar durante o dia e a noite como costureira para sustentar a mim e as minhas irmãs, no começo eu cuidava delas e aso 14 anos tive que trabalhar para ajudá-la.Seu comportamento era sempre distante e irritadiço.

5. Nada especial. Uma relação meio distante, sinto que ele tem dificuldade com carinho e ainda hoje quendo eu a abraço e digo que a amo vejo que ela fica meio embaraçada...

6. hoje convivo bem com ela, não moro com eles desde que tinha 18 anos, mas a vejo quase que diariamente, beijo-a e abraço-a, mas sinto que ela tem "dificuldades" com carinho, sempre se mantendo ocupada...

Anônimo disse...

7. Sempre fiava na casa de minha avó, ajudando-a nos seus afazeres. Ela era boa, mas ficava bastante brava se não andasse na linha. Minhas tias também e eu era um menino bastante "lambido" procurando chamar atenção e elas sempre se irritavam comigo.. Ia para a rua ou para um campo de futebol que tinha próximo à minha casa e lá os outros moleques maiores me propunham brincadeiras sexuais que acabava aceitando para ser aceito no grupo...

8. Distante, me deixava com minha avó.

9. Desrespeito e críticas. Ríspido e assustador.


10. Ignorava, ou aparentava ignorar. Parecia não se preocupar com isso.

11. Sou o mais velho de 3. Duas irmãs mais novas. Sempre tinha que me responsabilizar e ser exemplo de alguma coisa...

12. Acho que ainda asim sou o preferido de minha mãe. Não sei se foi sempre assim... Acho que sim.

13. Não tinha irmãos. Sempre tive conciência de minhas inclinações homossexuais sabia que me sentia atraído pelos meninos mesmona mais tenra infância.

14. Me sentia rejeitado e perseguido. Eles sempre queriam que eu me submetesse aos seus caprichos sexuais e eu o fazia para ser aceito. Eles me humilhavam depois e espalhavam os detalhes do que tínhamos feito, os outros também queriam depois.


15. pouquíssimas e cheias de interesses sexuais, sempre "rolava" alguma coisa. Acabava ficando sempre com as meninas...

Anônimo disse...

16. relações de amizade. Algumas vezes também com brincadeiras sexuais, mas sempre me interessava muitomais pelos meninos, as meninas eram amiga.

17. Sempre gostava das brincadeiras das meninas, casinha, panelinha, receitinha, etc. detestava futebol, carrinhose coisas masulinas.

18. Bonecas, moda, produtos de beleza.

19. tímido e retraído. Procurava mais passar despercebido. Se perseguido ou afrontado fugia e chorava.

20. Na adolescência me envolvi com as coisas da igreja católica, onde me sintia aceito e tinha grande prazer em ajudar. Até que tive uma grande decepção e me afastei. Aí então comecei a me envolver com bebidas, comecei a fumar e comecei a me viciar em pornografia. O sexo se tronaou ainda mais promíscuo e fumeni maconha pela primeira vez.

21. Desengonçado, muito alto, magrelo, cheio de espinhas e com o pênis pequeno. Não gostava de mim de jeito nenhum...

22. não me sentia masculino. Não aceitava/ gostava de meu corpo.

23. Nenhuma doença nem deficiência.

24. Acho que apesar de tudo era alegre sim. Bastante tímido, mas com os poucos amigos que tinha era alegre. Nessa época (14 anos) eu bebia bastante, saía para noitadas e me embriagava todas as vezes.

25. Sim. tiver períodos de depressão, mas não tenho certeza da idade, penso que um pouco depois disso, com uns 16 ou 17 anos. Sem motivo claro.

26. Sim. Aparência, sentimento de rejeição e inadequação.

27. Tímido, retraído, submimsso, servil. Lembro que gostaria que houvesse alguém que me desse ordens exatas do que fazer, uma receita a seguir na vida... Bastante solitário e desconfiado.

28. Acho que me adiantei e as citei anteriormente...

29. Taí... Acho que não tinha paixões loucas, a certeza qeuue tinah era da minha incapacidade de amar. Somente fazia sexo descompromissadamente.

30. Sempre me senti atraído por baixinhos peludos, barbudinhos e de óculos. Hoje ainda tento entender por que.

31. bem novinho, com uns dez anos eu já me sentia atraído pelos meninos e ia "brincar" com eles no campo, mesmo sabendo qeu eles iriam tentar se "aproveitar" de mim.

32. Sempre me senti mais atrído por baixinhos, peludos, novinhos, jeito de desprotegidos, tímidos e carentes.

33. Muito, muito, muito... desde a adolescência, juventude e idade adulta. Sozinho e acompanhado. Viciado em pornografia, mas somente fui tomar consciência disso nos ultimos meses. Quando Deus tem me libertado disso e de tantas outras coisas.

34. Não. Foram sempre fantasias homossexuais, das mais irresponsáveis e inconsequentes.

35. não. MUito raramente cogitava o sexo oposto.

36. Não há essas peculiaridades.

37. relatei anteriormente esses atos mais importantes. Peço desculpas se me alonguei em algum momento. Espero que possa ser de alguma utilidade para alguém, pra mim foi produtivo, repassar todos esses fatos nos quais ando buscando respostas. Ultimante venjo buscando a Deus e tenho sido transformado pelo Sua Graça, consciente da necessidade de uma vida em castidade, tenho sido capacitado a isso pelo Seu Santo Espírito e tenho sido conduzido a locais como esse que tem me feito compreender esses traumas e como durante toda minha infância fui "doutrinado" para viver nesse engano durante tanto tempo.

Agradeço pelo conteúdo deste site e de tantos outros que tem me ajudado e prporcionado elementos para minha cura espiritual.

Um grande abraço. Peço a Deus que os abençoe!